O que a Tradução como Serviço da Unbabel pode fazer pelo setor dos media

O teu conteúdo de vídeo tem o potencial de ser global. E tu queres que seja global. Queres que ele seja global desde o primeiro dia. O que te está a impedir?

Assim como as empresas devem tentar falar a língua dos seus clientes, conteúdo vídeo funciona melhor numa linguagem personalizada para o seu público.

Obviamente, a tradução de vídeo é um processo tradicionalmente lento. Para entender porquê, a matemática é suficientemente fácil para qualquer um acompanhar. De acordo com os padrões da indústria:

  • Existem cerca de 150 palavras num minuto de vídeo ou áudio
  • Os profissionais de transcrição de áudio estimam que um discurso de 15 minutos (2,2250 palavras) leva cerca de 60 minutos a transcrever para texto
  • Um tradutor profissional pode traduzir cerca de 2000 palavras por dia

Então, o melhor cenário para, por exemplo, uma TED Talk média, é uma hora para transcrição, e depois um dia inteiro para tradução (por idioma!).

Fazer o mesmo para um lançamento do iPhone da Apple levaria 6 dias.

E meio mês para fazer o mesmo para o filme Titanic.

Com esse nível de mão-de-obra, tempo e custo necessários, não é de admirar que os meios tradicionais de transcrição e tradução sejam uma enorme barreira à entrada.

Já não.

Porque os serviços de transcrição e tradução lentos não eram realmente um problema

Tudo mudou em 14 de fevereiro. Dia dos Namorados. Chocolates, rosas, cartões postais e jantares super caros. É também, e muitas pessoas não sabem disso, o aniversário do YouTube. 14 de fevereiro de 2005. Um dia que mudaria o mundo… da internet.

Antes de 2005, a distribuição do vídeo era particularmente bem centralizada. Grandes estúdios de cinema, produtores de documentários, etc. têm parceiros em todos os países que lidam com distribuição, legendagem e dobragem. Datas de lançamento diferentes permitiam o processo moroso (e caro) envolvido na tradução de vídeo. O número de pessoas envolvidas era ridiculamente alto.

De repente, a internet permite que o conteúdo de vídeo alcance toda a gente no mundo. Faz o vídeo, faz o upload e já está. Com a ascensão quase simultânea do Facebook (2004) e do Twitter (2006), os vídeos começaram a ser partilhados numa escala massiva que nunca havia sido vista antes.

O que mudou na tradução de vídeos?

Quando Agora isto e AJ + descobriram a fórmula secreta de conteúdo de notícias para a era das redes sociais, eles depararam-se com alguns elementos-chave. Mais do que apenas confiar em legendas, frases-chave começaram a aparecer diretamente no vídeo. Isso tirou proveito de um tendência ascendente que vimos noutro post: 85% dos utilizadores das redes sociais assistem a vídeos sem nenhum som.

O acesso instantâneo a freelancers em todo o mundo também ajudou. Websites como Upwork, Fiverr e Remote permitem que qualquer empresa ou departamento encontre tradutores individuais para a maioria dos idiomas. É prático no papel, mas não tanto na vida real.

Eu tive que confiar num desses sites para me ajudar a traduzir um blog em 8 idiomas diferentes. O blog tinha cerca de 300 artigos. O tempo dispendido a encontrar as pessoas certas, insistir com elas para que cumprissem prazos e, em seguida, ter alguém para verificar a qualidade do seu trabalho… acabamos por ter que contratar 8 verificadores de qualidade diferentes em tempo integral para lidar com o stress. E quando o departamento financeiro percebeu a quantidade de recibos individuais que eles tinham que validar e pagar – quase que poderiam ter reencenado o Casamento Vermelho.

O YouTube iniciou o seu programa de legendagem automático pelo menos desde 2013. Mas nunca foi muito bom: assim que foi lançado, transformou-se num meme chamado YouTube Caption Fail (Falhas de Legendagem do YouTube). Ainda é tão mau, que o YouTube admitiu que não analisa legendas traduzidas automaticamente para criar palavras-chave.

O Facebook está a tentar lidar com isso também. Ainda no ano passado, o sistema de legendagem fechado do Facebook ajudou a que um discurso de Mark Zuckerberg se tornasse viral.

Parece não haver respostas fáceis. Ao contrário da Rússia, não podes confiar no YouTube ou no Facebook para fazer o trabalho sujo por ti. Os freelancers podem criar tantos problemas quanto os que resolvem. E não queres contratar uma equipa de tradutores em tempo integral (ninguém tem espaço para isso).

A quem vais ligar?

Aos pros. Está na altura de deixar os profissionais trabalharem.

Um balcão único para transcrição de vídeo e tradução como serviço. Alimentado por IA. Com uma rede de 50.000 tradutores prontos para serem aproveitados. Tudo com qualidade verificada por profissionais. Se isto parece bom demais para ser verdade, podes verificar por ti mesmo: basta ligar as legendas e escolher o teu idioma.

É preciso. É rápido. É escalável.

É o tipo de coisa que faz o Financial Times nomear-nos como uma das 50 ideias que mudarão o mundo.

Então, agora, pergunto-te outra vez: se o teu conteúdo de vídeo tem potencial para ser global e tu queres que ele se torne global, o que te impede? Provavelmente, ainda não deste uma chance aos profissionais: Unbabel para vídeo.

The Unbabel Newsletter

Witty, informative and intensely curated, The Unbabel Newsletter is a fine addition to any inbox, dispatched every other Wednesday.

Facebook iconInstagram iconLinkedIn iconTwitter iconYouTube icon